09/04/2017

VENENO DE ARANHA

Pesquisa com veneno de aranha pode gerar remédio para disfunção erétil

Léo Rodrigues – Correspondente da Agência Brasil
 ela se apoia sobre as pernas traseiras e ergue as dianteiras para dar o bote no possível agressor
A aranha armadeira tem esse nome pela sua posição de defesa: ela se apoia sobre as pernas traseiras e ergue as dianteiras para dar o bote no possível agressorLéo Rodrigues/Agência Brasil

A picada da aranha armadeira pode provocar, nos homens, o priapismo. Trata-se de uma ereção involuntária e dolorosa que, se não for tratada, pode levar à necrose do pênis em alguns casos. No laboratório, porém, cientistas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e da Fundação Ezequiel Dias (Funed) mostraram que o veneno desse aracnídeo pode ser manipulado em favor da saúde e levar a um novo medicamento para disfunção erétil, com algumas vantagens em relação aos já existentes no mercado. A biotecnologia desenvolvida já foi licenciada pela empresa Biozeus, que dará sequência ao projeto.
De origem sul-americana, a aranha armadeira é bem distribuída no sudeste brasileiro, tanto em áreas rurais como em áreas urbanas. Conhecida cientificamente como Phoneutria nigriventer, ela é também chamada popularmente de aranha-de-bananeira por ser constantemente encontrada em cachos de bananas. Seu veneno é extremamente potente e pode provocar a morte de pequenos mamíferos. A picada em humanos não é incomum.
Resultado de imagem para A aranha armadeira
Segundo dados preliminares do Ministério de Saúde, o país registrou no ano passado 171.576 acidentes com animais peçonhentos. A maioria dos casos estão relacionados com escorpiões. Foram 90.026 registros. Os episódios com aranhas vêm em segundo lugar e envolvem 28.799 notificações, das quais 14% se relacionavam com a aranha armadeira. A maioria dos acidentes ocorre quando a espécie se esconde entre entulhos ou busca abrigo nas residências, misturando-se às roupas e aos sapatos.
Resultado de imagem para A aranha armadeira

A pesquisa da UFMG e da Funed teve início há mais de dez anos, quando a molécula responsável pelo priapismo – a toxina PnTx(2-6) – foi isolada do restante das substâncias do veneno. Os primeiros estudos buscaram mostrar o processo pelo qual essa molécula levava à ereção. A toxina mostrou atividade nos canais para sódio, que são altamente distribuídos pelo organismo e presentes, por exemplo, no sistema nervoso e nos músculos do coração.

“Nós começamos a estudar qual a parte da toxina atuava nesses canais, para que pudéssemos removê-la. Ao final, dos 48 resíduos de aminoácido que compõem a toxina, nós selecionamos um grupo de 19 aminoácidos e eliminamos o resto. E a partir desse estudo, pudemos sintetizar o peptídeo PnPP 19. Aí, já não era mais a molécula do veneno. Era outra molécula produzida em laboratório”, explica a pesquisadora Maria Elena de Lima Perez Garcia, do departamento de química e neurologia da UFMG.
Resultado de imagem para A aranha armadeira
O peptídeo PnPP 19 foi testado em ratos, onde foi verificada a ereção sem os efeitos indesejados. “Para nossa surpresa, ele não mostrou toxicidade nenhuma nos animais. E também não foi imunogênico, isto é, o organismo não produziu anticorpos contra a substância. Observamos que não houve nenhuma outra alteração no tecido do pênis além da ereção. E também não houve ação nos canais para sódio no restante do organismo”, relata Maria Elena.

Medicamentos
Os testes com a nova molécula vêm sendo conduzidos pela pesquisadora Carolina Nunes Silva, que desenvolve seu doutorado em cima da pesquisa. Ela acredita que um medicamento com base no peptídeo, por ter um mecanismo diferente, poderia atender pacientes com contraindicação aos que hoje estão em circulação, como o Viagra ou o Cialis.
Resultado de imagem para A aranha armadeira
“O grande problema do Viagra é que ele não pode ser usado por pessoas que tem problemas cardiovasculares. E, pelo que vimos, um medicamento a partir do peptídeo não teria esse problema. Nós fizemos testes isolados nos corações dos ratos e também em canais pra sódio expressos exclusivamente no miocárdio e não foi observada nenhuma ação”, diz a pesquisadora. Ela avalia ainda que é possível imaginar medicamentos que combinem as duas drogas. “O efeito aditivo pode atender a pacientes que não sejam tão responsivos ao Viagra”, acrescenta.
Resultados mais recentes mostraram que o peptídeo estimulou a ereção em ratos com diabetes ou hipertensão, enfermidades que podem provocar a disfunção erétil. A molécula também não provocou alteração na pressão arterial dos roedores. Essa é uma boa notícia para muitas pessoas diabéticas e hipertensas com contraindicação ao Viagra ou ao Cialis, pois são medicamentos que podem amplificar a vasodilatação e levar a quedas acentuadas e perigosas da pressão arterial.
Um medicamento a partir do peptídeo PnPP 19 possivelmente não geraria esse efeito indesejado. “Os avanços da pesquisa nos animam. Quando começamos os estudos, era mais pela curiosidade em entender a farmacologia do veneno. Pela toxicidade da substância, não imaginava que íamos chegar a um medicamento e hoje estamos caminhando nessa direção. Confesso que foi praticamente um golpe de sorte, porque quando passamos a trabalhar com os 19 aminoácidos, a molécula deixou de ser tóxica e, ao mesmo tempo, continuou ativando a ereção sem nenhum efeito secundário. Tem uma dose de conhecimento, mas também uma dose de sorte”, diz Maria Elena.
Patente
A UFMG detém a patente da biotecnologia que desenvolveu o peptídeo PnPP 19. Em dezembro de 2016, foi feita a transferência de tecnologia para a Biozeus, que passou a ter os direitos de exploração da molécula. A empresa, que existe desde 2012, promove a articulação entre as instituições científicas e as indústrias farmacêuticas.
“Nós mapeamos estudos com potencial para gerar fármacos que atendam a uma necessidade médica global. E fazemos os ensaios que podem comprovar a viabilidade do produto. A indústria hoje busca minimizar riscos. Então, ela evita realizar as primeiras fases dos testes, que envolvem uma aposta financeira alta. Atualmente, ela prefere licenciar projetos mais desenvolvidos. Aí, entra a nossa empresa", explica Perla Borges, analista de projetos da Biozeus.
Alguns testes mais complexos e mais caros estão sendo realizados no exterior. Se as etapas ocorrerem dentro do esperado, o produto pode chegar ao mercado em 2023. Os ensaios pré-clínicos com animais levariam mais dois anos. Os testes clínicos com humanos demandariam aproximadamente quatro anos, parte deles desenvolvidos pela Biozeus e outra pela indústria que vier a se interessar pelo remédio.

A Biozeus está estudando a melhor formulação. Uma das possibilidades é o desenvolvimento de um medicamento para aplicação tópica, como pomada, gel, creme ou adesivo. Testes preliminares na UFMG mostraram que a aplicação do peptídeo na pele dos ratos provocou ereção. Um remédio com essas características, além de reduzir bastante os riscos de efeitos adversos, pode obter uma tramitação mais rápida nos órgãos de saúde.

MÉDICOS SÃO CONTRA REFORMA DA SAÚDE

Entidades médicas lançam manifesto contra plano de saúde popular

As associações se posicionaram contra o plano de saúde popular proposto pelo governo federal: "Perde o médico, perde o SUS e, sobretudo, perde o paciente"

Formulário médicoDez entidades médicas e da sociedade civil assinaram um manifesto contra a criação de planos de saúde popular do governo por considerarem a proposta uma ilusão para a população. (Istock/Getty Images)
Entidades médicas e representantes da sociedade publicaram nessa sexta-feira um manifesto contra a criação do plano de saúde popular proposta pelo Ministério da Saúde. No documento, assinado por dez instituições, “os modelos apresentados são grave ameaça de retrocesso aos direitos dos consumidores, pois segmentarão a assistência à saúde “.
Os principais motivos elencados pelas instituições para discordar dos planos populares são: encaminhamento das propostas à Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) sem encaminhar previamente ao Grupo de Trabalho sobre Planos Acessíveis, sistema de coparticipação semelhante ao de uma franquia de automóvel – em caso de doenças mais graves e dispendiosas, o usuário terá um ônus maior -, retorno à fase anterior à regulamentação do setor de saúde suplementar pela Lei 9656/98, geração de falsas expectativas sem atender às necessidades do paciente, aumento da judicialização, precarização da saúde pública, prejuízo á relação médico-paciente e precarização das condições de trabalho do médico. 
Para Mauro Gomes Aranha de Lima, presidente do Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp), todo os direitos conquistados até o momento pela Lei 9656/98 “podem ir por água abaixo com essa tentativa de regulamentação”. 
Divulgado pelo governo como um plano “acessível” e “popular” devido a seu caráter de cobertura restrita,  representantes de instituições – ProTeste, do Procon, da Associação Paulista de Medicina (APM), do Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp), do Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP)  e da Federação Nacional dos Médicos (Fenam) – afirmaram de forma unânime, durante evento realizado nesta sexta-feira na sede do Cremesp, em São Paulo, que a proposta é uma forma de iludir o consumidor.
De acordo com as entidades, aqueles que aderirem a esses planos de saúde terão acesso apenas a cuidados primários de saúde. E caso precisem de procedimentos mais complexos como cirurgias ou tratamentos de alta complexidade terão que recorrer ao Sistema Único de Saúde (SUS), pois estes serviços não estão previstos na cobertura do plano.
“Perde o médico, perde o SUS e principalmente o paciente”, afirma Eder Gati Fernandes, presidente do Simesp. Marcio Costa Bichara, diretor da Fenan, ressalta que “todas as opções propostas favorecem exclusivamente as operadoras de saúde. Se isso for adiante, a população será novamente ludibriada.”.
O próximo passo, segundo o presidente do Cremesp será protocolar o documento, assinado pelas entidades participantes do evento e também pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SP), na ANS e no Ministério da Saúde e acompanhar o andamento da proposta para “tomar as medidas cabíveis”

Entenda as opções de planos populares propostas pelo governo

A proposta do governo sugere a oferta de três tipos de planos: o simplificado, com cobertura específica para atenção primária e serviços de baixa e média complexidade. Usuários que fizerem a adesão a esse tipo de plano não teriam direito a internação, terapias, exames de alta complexidade, atendimento de urgência e emergência.
A segunda modalidade é de plano ambulatorial combinado com plano hospitalar. Nesse formato, usuário teria acesso a atenção primária, especializada, de média e alta complexidade. Antes de ter acesso a um atendimento especializado, no entanto, o paciente teria de passar obrigatoriamente por uma avaliação de um médico de família ou de atenção primária. O acesso ao esses serviços seria feito de acordo com a disponibilidade da infraestrutura do município.
O terceiro formato é um plano misto de pagamento, no qual o serviço seria feito de uma contraprestação do usuário. O consumidor ficaria responsável pelo pagamento de valores previstos em contrato.

MEDITAÇÃO ALIVIAR O A TRISTEZA DA VIDA

Antídoto contra tristeza, irritação e estresse: meditação
Um estudo realizado com executivas de uma grande empresa indica que em oito semanas já é possível obter melhora significativa no bem-estar
Por Da redação
Os resultados mostraram que o stress, um dos grandes vilões da atualidade foi reduzido em 35,3% após 8 semanas de práticas de meditação, relaxamento, atenção plena e psicologia positiva. Também houve melhora em sensações de tristeza e preocupação e emoções negativas como medo e irritação. (IStock/Getty Images)
Mulher praticando yoga
Meditar regularmente pode ajudar a reduzir o stress e problemas de saúde e bem-estar associados a ele. De acordo com um estudo conduzido por pesquisadores do Instituto do Cérebro do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, oito semanas de práticas regulares de atividades de relaxamentorespiração, atenção e psicologia positiva reduziram em 35,3% os sintomas de stress, 27,84% de tristeza e preocupação e 14% de emoções como medo e irritação.
Resultado de imagem para meditação
Estudo
Durante oito semanas, 70 mulheres que ocupam cargos de liderança na Natura participaram de um programa desenvolvido em parceria com a Associação Palas Athena que consistia em encontros presenciais semanais com 1h30 de duração. As participantes também foram orientadas a praticar em casa, pelo menos quatro vezes por semana, durante 15 minutos, , guiando-se por áudios recebidos.
Resultado de imagem para meditação zen
Resultados
Os resultados, gerados a partir de questionários validados na literatura científica, mostraram que o stress, um dos grandes vilões da atualidade e uma das principais queixas das mulheres, foi reduzido em 35,3% em relação ao mês anterior à pesquisa. Também houve melhora nos sintomas psiquiátricos, geralmente associados ao stress. Sensações de tristeza e preocupação, por exemplo, diminuíram em 27,84% dos casos. Também houve 14% de redução em emoções negativas, como medo e irritação.
O desempenho das participantes com maiores níveis de stress no início do estudo também melhorou após a incorporação das práticas de meditação. Exames de ressonância magnética funcional realizados nessas mulheres verificaram uma mudança no padrão de funcionamento do cérebro antes e depois da adoção das práticas.
“A jornada dupla é realidade para a maioria das mulheres e isso contribui para o aumento do stress, que é um ciclo vicioso“, diz Patrícia Tobo, gerente científica de bem-estar da Natura.
Resultado de imagem para meditação zen
Psicologia positiva
A pesquisadora Elisa Kozasa, responsável pelo estudo no Instituto do Cérebro, explica que as aulas contemplam conteúdos teóricos e práticos baseados no contexto das práticas contemplativas, de relaxamento, meditação e atenção plena. Mas o principal diferencial é a psicologia positiva.
“Em vez de tratar doenças, a psicologia positiva ajuda as pessoas a desenvolverem suas virtudes. Associadas a práticas de gratidão e ao cultivo da empatia nas relações pessoais. Mais do que reduzir o stress, o programa traz uma questão sobre estilo de vida e formas de olhar o mundo, mudando o foco dos problemas e acontecimentos negativos na vida, para os positivos.”, explica Elisa.
Grupo de meditação Natura
O projeto inspirou a criação de um grupo fixo de meditação na Natura. Desde janeiro cerca de 30 homens e mulheres já aderiram à atividade e se reúnem às quartas-feiras, pela manhã, na sede da empresa, em Cajamar (SP). (Divulgação Natura/Divulgação)
Meditação em casa
Embora o ideal seja fazer as aulas para aprender conceitos habilidades básicas das técnicas, meditar e realizar práticas de mindfulness ou atenção plena nunca é demais e certamente já te ajudarão a relaxar. Algumas dicas que podem ser incorporadas ao dia a dia são:
·         Focar na respiração. A prática diária de exercícios de respiração pode ser uma forte aliada para controlar o estresse, liberar a tensão acumulada e melhorar sua qualidade de vida.Respiração 1-2-3-4: Sente-se confortavelmente, feche os olhos e coloque atenção na sua respiração. Faça uma respiração profunda contando 1, com o pulmão cheio de ar conte 2, faça uma expiração lenta contando 3 e com o pulmão vazio conte 4. Repita esta sequência por 10 vezes e várias vezes ao longo do dia.

Estamos acostumados com o imediatismo e nos esquecemos de coisas simples e que são essenciais à vida, como por exemplo, o ato de respirar.
   Resultado de imagem para meditação zen
·         Praticar a bondade ou gentileza amorosa: procurar lembrar de momentos de felicidade
·         Estar atenta ao que acontece em seu cotidiano e na forma como se relaciona consigo mesmo e com as outras pessoa
·         Praticar a autocompaixão: devemos nos tratar tão bem quanto queremos tratar as outras pessoas.
·         Manter um diário de gratidão: Toda noite, antes de dormir, pense em tudo de bom que aconteceu neste dia. Selecione as 3 principais e reflita sobre qual foi a sua participação ou como você contribuiu para que ela acontecesse. Sinta e agradeça cada uma delas. Você pode também manter um diário para registrar estes momentos e ser grata por eles.



CARRO EXPLODE DURANTE O ABASTIMENTO

RJ: Mulher morre em explosão ao abastecer carro

Incidente ocorreu na cidade de São Gonçalo, por volta de 21h30 de sábado
Carro ficou destruído após a explosão / Reprodução/BandCarro ficou destruído após a explosãoReprodução/Band

Uma mulher morreu e três pessoas ficaram feridas, na noite desse sábado, por conta da explosão de um carro que estava sendo abastecido com gás natural veicular (GNV) em um posto da cidade de São Gonçalo, na região metropolitana do Rio de Janeiro.


Resultado de imagem para RJ: Mulher morre em explosão ao abastecer carro
A explosão aconteceu por volta de 21h30. A vítima fatal chegou acompanhada de um homem ao posto, mas estava sozinha no interior do veículo no momento do incidente. 

 Resultado de imagem para RJ: Mulher morre em explosão ao abastecer carro
Não há informações sobre o motivo da explosão nem sobre o estado de saúde dos três feridos.Resultado de imagem para RJ: Mulher morre em explosão ao abastecer carro
 Resultado de imagem para RJ: Mulher morre em explosão ao abastecer carro
Veja imagens do momento da explosão
                                ⇩

                                                https://youtu.be/yDK2cNPY4ok

Você viu?

EDUCAÇAO EM SÃO ROBERTO MA

DESTAQUE  /  POLÍTICA Acabou o encanto pelos professores? Nas eleições de 2016, os professores foram peças fundamentais na campanha q...